Três pessoas foram presas pela Polícia Ambiental suspeitas de vender filhotes de macacos-prego em Londrina, no norte do Paraná, nesta quinta-feira (23). Na casa onde ocorreram as prisões, localizada na região norte, foram resgatados três filhotes de macacos-prego e uma cobra jibóia.

Os filhotes estavam em uma gaiola de passarinho e a cobra, que tem pouco mais de um metro de comprimento, estava em uma caixa de sapato. Denúncias levaram a Polícia Ambiental até o imóvel.

A Polícia Ambiental detalhou que dois dos presos capturavam filhotes de macacos-prego na Universidade Estadual de Londrina (UEL) e no Parque Artur Thomas e depois comercializavam ilegalmente os animais. Um dos suspeitos já tinha sido preso pelo mesmo crime em novembro de 2017.

“Na época, ele foi beneficiado por um acordo para pagar cestas básicas e cumprir trabalho voluntário. Como foi flagrado novamente perdeu esse direito”, explicou o subtenente Reinaldo Vasconcelos dos Anjos.

Na fiscalização, o homem chegou a apresentar uma nota fiscal de criador da cobra jibóia, mas o documento era falso.

A Polícia Ambiental suspeita que os animais eram vendidos para compradores de Londrina e de cidades da região. Os bichos eram entregues com notas falsas.

Os três serão encaminhados a Delegacia da Polícia Civil de Londrina. Eles serão indiciados pelos crimes de maus-tratos contra animais e por manter cativeiro ilegal de animal silvestre.

Os animais serão levados para a o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) onde serão avaliados por um bióloga.